A História da Webradio ou Rádio Online

               A webradio é um serviço de transmissão de áudio pela internet que usa a tecnologia streaming, capaz de transmitir em tempo real, não mais usando a sintonização em uma frequência pelo dial de um aparelho receptor, possibilitando a escolha entre a transmissão ao vivo ou gravada. Para acontecer precisa de uma codificação apropriada (encoder) e da transmissão aos usuários, chamada de broadcast.

Imagem

 

                A primeira rádio na internet foi lançada em 1993 pelo americano Carl Malamud, a “Internet Talk Radio”. Porém, a primeira emissora comercial a transmitir de forma contínua e ao vivo foi a rádio Klif, do Texas – Estados Unidos, a partir de 1995. No Brasil a primeira rádio a existir apenas na internet começou em cinco de outubro de 1998, a rádio Totem.

                Faz muito sucesso nos Estados Unidos e ascende no resto do mundo, no Brasil ainda não se encontra muita inovação, trata-se de uma recente incorporação ao país. É necessário se adaptar ao novo suporte(a internet) que oferece várias possibilidades, além da melhor qualidade de som; recursos que ampliam os formatos da programação; interatividade, com podcasting, enquetes e interação com as redes sociais; dinamismo; abarca novos gêneros; agrega elementos textuais e imagéticos, como a publicação de imagens, hipertextos, arquivos, vídeos e desenhos.

                A webradio vive um processo de descoberta contínuo, pois, ainda não se conhecem todas as suas possibilidades; o que  se vê ainda é uma repetição do que se faz na rádio analógica. O alcance da analógica é nacional já a rádio online atinge o mundo criando uma convergência cultural, além da multimídia. Por ter um baixo custo para sua realização, gerar lucro com facilidade e estar dentro da lei, as webradios se tornaram populares, como uma ótima aposta para quem quer lucrar muito e rápido, fazendo crescer sua popularidade entre ouvintes e empresários. 

                      Imagem

Advertisements

A História do Jornal Impresso

A História do Impresso

 

 

O interesse pelas notícias sempre existiu. No entanto, o primeiro “jornal” impresso do mundo só surgiu em 69 A.C. criado por iniciativa do imperador romano Júlio César. O Acta Diurna tinha como objetivo divulgar os principais acontecimentos da República. Cópias eram afixadas em localidades importantes já que a gazeta era a maneira oficial de divulgar os resultados das guerras, dos jogos e as atividades políticas do povo romano.

Na era feudal, os trovadores – poetas europeus – eram responsáveis por noticiar os acontecimentos. Com o renascimento do comércio e o surgimento de práticas econômicas mercantilistas começa um crescimento devido a formação de Nações Estados na Europa e de um intercâmbio econômico sedento por informação.

Em 1440, Gutenberg desenvolve o conceito de imprensa, o que permite produzir e reproduzir volumes impressos. A partir do século 17, surgem jornais semanais na Europa, especialmente na França e Alemanha. E, devido ao movimento Iluminista e da Revolução Francesa, surge uma nova visão intelectual do mundo e de formação dos direitos humanos, que acaba refletindo nos jornais.

Graças a Revolução Industrial, são inventadas as impressoras a vapor, que tornam possível a impressão de periódicos em grande escala e em menor tempo. A medida que os jornais foram ganhando público e importância, a publicidade começou a fazer parte do veículo, ajudando a estabelecer o jornal profissionalmente e comercialmente.

 

 

acta-e1319965014395        Acta Diurna

presswork   A Prensa/Imprensa de Gutenberg

url         JohannesGutenberg (Mogúncia, c. 1398 – 3 de Fevereiro de 1468)

suhl_kab       Impressora a vapor

 

 

Curiosidade:

 

Imprensa amarela ou marrom?

 

“Em 1890 a invenção da máquina de quatro cores permitiu aos jornais norte-americanos publicar textos com mais qualidade e quadrinhos de humor. Em 1894, é publicada as historinhas do desenhista Richard Felton Outcault e seu personagem “Yellow Kid”(menino amarelo) que simbolizava a briga comercial travada pelos jornais norte-americanos, para dominar o mercado e ganhar mais lucro, lançando mão de notícias “acentuadas” e exageradas para chamar a atenção dos leitores,uma imprensa sensacionalista chamada de imprensa amarela nos EUA.

No Brasil, o termo não amarelou, sendo o amarelo uma cor considerada bonita e presente na bandeira nacional, a imprensa brasileira adaptou o termo para a cor “marrom”, cor de “sujeira”. Portanto toda notícia exagerada ou inventada desbota a cor da verdade dos fatos.”

 

 

Monitoramento do Portal R7- Sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Manchete: “Veja imagens das prisões dos mensaleiros”

 Imagem

            A manchete trazida pelo Portal de Notícias R7 nesta sexta-feira foi uma galeria com imagens dos presos políticos do Mensalão. Sendo estas, mesmo tão recentes, já parte da história do Brasil. Além de fotos dos próprios presos, como na imagem acima em que aparecem José Genoino (ex-presidente do PT) e José Dirceu (ex-ministro-chefe da Casa Civil), havia o avião que levaria os mensaleiros de São Paulo a Brasília.  

            No dia 15 de novembro 8 dos condenados pelo Mensalão, dentre os 12 mandados expedidos pelo presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, se entregaram à Polícia Federal; até as 20:55hs(horário de Pernambuco)- momento em que esse monitoramento foi realizado. Estes foram: José Dirceu, José Genoino(primeiro condenado a se apresentar à Sede da Polícia Federal em São Paulo), Cristiano Paz, Jacinto Lamas, Simone Vasconcelos, Katia Rabelo, Romeu Queiroz, Ramon Hollerbach.

            A seleção de imagens feita pelo Portal R7 trata de um marco na história da política brasileira, é o desfecho de um processo longo de suspeitas, descobertas e julgamentos, que se arrasta desde o mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As prisões dos responsáveis pela corrupção política por meio da compra de votos, conhecido como Mensalão, é um alívio ao povo que estava descrente na justiça do Brasil e que já previa a pizza como resultado.

            A grande relevância desse fato, ocorrido no dia da Proclamação da República, foi mostrada por todo o portal de notícias, com matérias sobre os presos, divulgação de imagens durante todo o dia e até publicações na internet que ironizavam o evento, como a que se pode ver abaixo.

 Imagem

 

Monitoramento do Portal R7 – Domingo, 17 de Novembro de 2013

Manchete: “Apresentadora causa revolta na internet ao publicar foto sorridente ao lado de leão morto”.Image

Image

Image

 

A matéria sobre a revolta dos internautas contra Melissa Bachman, apresentadora americana de TV e caçadora profissional, ao postar uma foto com um Leão morto, tem uma forma diferente e, talvez, mais atrativa de ver a notícia; mas com conteúdo breve a respeito dela. Com informações divididas em 13 fotos, o leitor precisa olhar cada uma delas para se informar o máximo possível, diferentemente de materiais usuais. A cada foto, informações novas, inicialmente algumas “mais elaboradas”, e depois, decrescendo até chegar em informações “mais rasas”.

As fotos retratam Melissa exatamente como na chamada da matéria, sorridente, não só com o leão, mas com outras espécies de animais mortos, como veados, ursos e zebras; possivelmente um aliado a mais para atrair o público. As 13 imagens são controversas, atraindo (chamando) mais leitores aos sites e, geralmente, causando a mesma sensação de revolta dita na chamada. Todas as fotografias são reprodução de jornais estrangeiros, e algumas do acervo pessoal da americana em seu Facebook.

A linguagem usada é bem simples, e o quem lê possivelmente não terá problemas de interpretação, inclusive pelo R7 informar, breve e objetivamente, da indignação da população com a apresentadora. Por fim, ainda finaliza com pequeninas notas a respeito das caçadas na África do Sul.

O tema parece ter tido pouco alcance no domingo, e a relevância de outros casos no país eram maiores, como o mensalão do PT.

Matéria aqui